Foto: Laura Stevens

Diana Tishchenko

A escolha da violinista Diana Tishchenko como “Rising Star” da “European Concert Hall Organisation” (ECHO), na temporada 20/21, testemunha a alta consideração que tem por parte tanto da crítica como público.
O seu primeiro álbum, lançado na editora Warner Classics em Novembro de 2019, tem sido aclamado mundialmente. A BBC Music Magazine atribuiu-lhe 5 estrelas e a Gramophone Magazine elogiou-a pela sua “voz distinta e individual” e pela “beleza de timbre, brilho e variedade de cores”. Le Figaro escreveu: “Um álbum que confirma a incrível maturidade da artista”.
Em Novembro de 2018, ganhou o Grand Prix Jacques Thibaud no lendário Concurso Internacional Long-Thibaud-Crespin, em Paris, que teve como presidente do júri Renaud Capuçon. Diana é também laureada noutros concursos internacionais como o Isaac Stern, em Shangai, o ARD, em Munique e o David Oistrakh, em Moscovo.
Nascida na Crimeia, Ucrânia, em 1990, Diana Tishchenko começou cedo os estudos musicais, desenvolvendo-os na Escola Especial de Música Lysenko, em Kiev. Pouco depois, entrou na Gustav Mahler Youth Orchestra, assumindo o papel de concertino até 2013 e trabalhando com os maestros Sir Colin Davis, Franz Welser-Möst, Herbert Blomstedt, Antonio Pappano e Daniele Gatti, apresentando-se nas principais salas de espetáculo europeias. Conclui o seu mestrado e diploma artístico na Escola Superior de Música Hanns Eisler, em Berlim, na classe do Professor Ulf Wallin, de quem se torna assistente, e com o Professor Boris Kuschnir, na Universidade das Artes de Graz. As suas fontes de inspiração musical provêm especialmente de Ferenc Rados, Rita Wagner, Saschko Gawriloff, Steven Isserlis e Sir András Schiff.